Partilhas

Melilla, Espanha

Melilla, Espanha

Ceuta e Melilla são duas cidades autónomas espanholas situadas em continente africano.

Uma quase que liga Espanha a Marrocos e a outra está mesmo dentro do território marroquino, tornando ambas verdadeiros enclaves – ou seja, como diz no dicionário, parte de um território dentro dos limites geográficos de um outro território ou país diferente.

Espanha diz que ambas as cidades já pertenciam ao seu território, antes de existir um reino marroquino e por isso são legitimamente espanholas.

Apesar disso, são várias as organizações que consideram Ceuta como território marroquino – são elas a Liga Árabe, a União Africana e a Conferência Islâmica.

Mapa de Ceuta e Mellila

Mapa de Ceuta e Mellila no Norte de Africa

Mapa de Ceuta e Mellila no Norte de África

Ceuta

Ceuta Espanha

Ceuta Espanha

Ceuta é um território com 18,5Km no topo do continente africano, ladeado pelo mar Mediterrâneo, junto ao estreito de Gibraltar.

Fica na pequena península de Almina, mesmo em frente à espanhola Algeciras.

Foi tornada cidade autónoma em 1995, mas ainda está ligada aos serviços de educação e judiciais de Granada, por exemplo. Tem mais de 82 mil habitantes, população constituída sobretudo por cristãos e muçulmanos, e minorias judaica e hindu.

A sua localização sempre foi o motivo de grandes quezílias, porque faz a ligação do Mediterrâneo com o oceano Atlântico. Em 1415 os portugueses conquistaram Ceuta e foi reconhecida como possessão portuguesa nos tratados de Alcáçovas (1479) e de Tordesilhas (1494). Depois disso, nos séculos XVII e XVIII, os marroquinos tentaram ganhar o pedaço de terra enquanto eram atacados por frotas anglo-holandesas.

O sultão Moulay Ismail conseguiu expulsar os espanhóis da costa marroquina, mas não fez o mesmo em Ceuta que, em 1812, é convertida num ayuntamiento constitucional e cem anos depois, em 1912, é instaurado o Protectorado Espanhol de Marrocos, que dura até à independência de Marrocos em 1956.

Foi em 1978 que com a nova constituição espanhola, que foi reconhecida Ceuta como parte integrante de Espanha. E foi em 1995 que lhe foi dado o estatuto de cidade autónoma. Os reis espanhóis Juan Carlos e Sofia fizeram uma visita oficial a Ceuta em 2007, depois de a cidade estar 80 anos sem receber qualquer visita de um monarca espanhol.

Pelo seu solo pouco fértil, Ceuta tem a sua economia sustentada com a actividade portuária. É um local por onde tentam passar muitos imigrantes ilegais africanos para a Europa e também usada na rota do tráfico de drogas.

Melilla

Melilla, Espanha

Melilla, Espanha

Apesar de Ceuta ser provavelmente a mais conhecida, também Melilla é um enclave espanhol, bem dentro do território marroquino.

Marrocos reclama o seu pedaço de terra, mas Espanha nunca saiu de lá nem mostrou interesse em fazê-lo, por isso, Melilla é território espanhol.

Melilla está situada na parte oriental da cadeia montanhosa de Rif e virada para o mar Mediterrâneo. Tem um importante porto que serve para fazer a exportação de produtos marroquinos, como os curtumes, sapatos e conservas.

Melilla tem pouco mais de 12 quilómetros de superfície (12,3km) e cerca de 67 mil habitantes. A população é, na maioria, de origem espanhola e tem outras minorias como muçulmanos, judeus e hindus.

Mesmo sendo um pequeno pedaço de terra sempre foi muito cobiçado. No século XV passou a depender da coroa hispânica, mas entre 1860 e o primeiro terço do século XX foi lugar de combates que desencadearam a Guerra do Rif, também chamada de Segunda Guerra Marroquina. Este conflito decorreu entre 1920 e 1926 entre Espanha e as forças marroquinas de tribos rifenhas e DJebali. Só com a intervenção francesa – do lado dos espanhóis – é que Espanha conseguiu a vitória.

Partilhas