Dia 2: Marraquexe, Telouet, Ait Benhaddou, Ouarzazate – Como é participar no Tour de Grupo a Marrocos

VIAGEM MARROCOS

Dia 2 – Marraquexe, Telouet, Ait Benhaddou, Ouarzazate

O dia começou bem cedo com o pequeno-almoço às 8h30. E foi aqui que conhecemos os restantes elementos do grupo. Para além de nós os 4 (portugueses), fazem parte do grupo mais 10 brasileiros. Somos então 14 turistas. Depois das apresentações e do pequeno-almoço foi altura de conhecermos aquele que seria o nosso guia durante todo o tour, o Ahmed.

Às nove horas saímos na carrinha em direcção a Ouarzazate. Mas antes passando por Telouet e Ait BenHaddou. Esperavam-nos cerca de 200 km de estrada através da cordilheira do Atlas. Subimos a uma altitude de 2000 metros sempre com uma paisagem de tirar o fôlego. Fizemos algumas paragens em locais estratégicos para tirar fotos, esticar as pernas, ir ao Wc e comprar água. (Muito importante manterem-se sempre hidratados durante toda a viagem).

Não é invulgar vermos viajantes solitários ao longo do percurso. Passámos por pequenas aldeias, e é normal aparecerem crianças a oferecerem flores e outros artigos e depois de aceitarmos pedirem dinheiro.

Talouet

No nosso percurso fizemos uma curta paragem em Talouet, uma vila situada num vale elevado na cordilheira do Alto Atlas, a meio do caminho entre Marraquexe e Ouarzazate.

Kasbah de Telouet 😊 @marrocoscom #telouetkasbah #marocco #marrocos #travelblogger

A post shared by Sonia Justo (@lovelylisbonnertravelblog) on

Aqui encontra-se o Casbá ou Kasbah de Télouet, por vezes também chamado Dar Glaoui ou Palácio do Glaoui. Foi construído por Thami El Glaoui, usualmente chamado “O Glaoui”, um líder da tribo berbere local. E Paxá de Marraquexe entre 1912 e 1956.

Casbá é o nome dado às casas fortificadas existente em diversas cidades do sul de Marrocos. São uma espécie de castelos. Para além dos Casbás existem também os Ksar ou Ksours (no plural), são aldeias fortificadas que normalmente têm um ou mais Casbás no seu interior.

De seguida visitámos uma cooperativa de mulheres marroquinas que produzem o famoso Óleo de Argan, feito com castanhas que são extraídas da árvore local Argania Espinosa. Pudemos ver as várias utilizações do produto, experimentar, provar e comprar.

Agora é hora de almoçar e experimentar a famosa salada marroquina, a tajine e os cuscuz.

Ait BenHaddou

Depois do almoço seguimos para Ait BenHaddou, o Ksar mais famoso e melhor preservado da região, e património mundial da UNESCO desde 1987. Actualmente vivem aqui poucas famílias, e podemos encontrar várias lojas com artigos direccionados para os turistas. Fomos visitar uma casa local onde as mulheres trabalham nos teares e fazem os famosos tapetes marroquinos. Mas aqui trabalham sem a pressão de um trabalho normal, aqui trabalham apenas para se sentirem bem, apenas pelo prazer de fazer uma obra de arte. Cada tapete conta uma história, e cada símbolo tem um significado específico, cada mulher trabalha num tapete. Cada tapete é uma peça única. Aqui podem também comprar os tapetes e vão ficar impressionados com a forma como embrulham um tapete grande por forma a ser fácil de transportar no avião. Criatividade é o que não falta ao povo Marroquino.

😍😍😍 Ait Ben Haddou @marrocoscom #aitbenhaddou #marrocos #marocco #travelblogger

A post shared by Sonia Justo (@lovelylisbonnertravelblog) on

Ait BenHaddou pela sua beleza, luz e silêncio já foi cenário para várias produções cinematográficas, como “Gladiador”, “A Múmia” e mais recentemente episódios da série “Guerra dos Tronos”.

Preparem-se para subir muitas escadas, mas vai valer a pena.

Acabámos a visita, e com a noite a cair, separam-nos de Ouarzazate cerca de 32kms e 40 minutos de distância, onde iremos pernoitar.

Ouarzazate

Chegados a Ouarzazate fizemos uma paragem numa das ruas principais para comprar alguns bens. Aqui encontram lojas de rua, um centro comercial, e lojas que vendem bebidas alcoólicas, estas últimas difíceis de encontrar em Marrocos.

E já estamos bem pertinho do nosso próximo Riad, o Dar Rita da querida Rita Leitão. Por uma rua labiríntica, tão típica em Marrocos e sempre com placas a indicar o caminho, o nosso guia deixa-nos em boas mãos e prontos para descansar, porque o próximo dia vai ser uma verdadeira aventura.

Ouarzazate @marrocoscom #travelblogger #marrocos #marocco #ouarzazate

A post shared by Sonia Justo (@lovelylisbonnertravelblog) on

A carrinha e os automóveis muitas vezes não conseguem ou não podem passar nas ruas estreitas, pelo que vão ter de andar com as malas desde a carrinha até à porta dos Riads, pelo que recomendo sempre mala com rodas, e como o chão é irregular quanto mais robustas melhores.

Chegámos à porta e batemos naquela mãozinha tão típica das portas marroquinas. Depois das apresentações preenchemos novamente o formulário com os nossos dados. Combinamos a hora para jantar e depois do banho ainda tivemos tempo para conhecer o terraço e para nos ensinarem a colocar o lenço na cabeça, todos tivemos direito a um lenço do Marrocos.com para levarmos para o deserto. Ao jantar tivemos pratos tipicamente Marroquinos, a Rita juntou-se a nós e acabámos por partilhar de forma natural e muito divertida um pouco da cultura do local onde cada um de nós vive, o que começou porque estávamos a falar de uma rotunda e nos apercebemos que o nome varia dependendo do local onde estamos, tanto no Brasil como em Portugal. E foi assim durante o resto da viagem com aprendizagem e partilhas não só de Marrocos mas de todas as cidades dos 14 participantes. Agora é hora de descansar porque amanhã seguimos bem cedo para passar uma noite no deserto de Merzouga.

A Bagagem para o Deserto

Antes de deitar é hora de preparar uma pequena mochila para levarmos o essencial para passarmos uma noite no deserto.

As bagagens ficam guardadas no Dar Rita, onde voltaremos a ficar uma noite depois do regresso do deserto.

Deixo-vos uma lista com o essencial para uma noite no deserto:

  • Mochila pequena/média;
  • Escova e pasta de dentes;
  • Champô seco (no deserto há água, mas não vão ter tomada na tenda para ligar o secador de cabelo, e com o frio e vento que faz no deserto não aconselho a ficarem com o cabelo molhado, por isso se são daquelas pessoas que não aguentam um dia sem lavar o cabelo esta é a solução para vocês). Como viajei no mês de Novembro, as temperaturas são um pouco mais baixas em comparação para quem vai no Verão;
  • Pijama;
  • Roupa Interior;
  • Blusão/Casaco quente;
  • Lenço ou Écharpe;
  • Hidratante labial;
  • Uma muda de roupa;
  • Ténis;
  • Óculos de Sol;
  • Elástico para o cabelo;

NOTA: Não precisam de toalhas, nem de gel de banho, é-vos disponibilizado na tenda. Aliás em todos os riads tínhamos champô e gel de banho.

Siga o resto da viagem: