Sonho luso-marroquino – História de Portugal-Marrocos-Brasil

História de Portugal-Marrocos-Brasil
História de Portugal-Marrocos-Brasil

Durante o século XVI Portugal já fincara raízes em diferentes terras de além mar. Pontos de comércio, colónias, foram sendo implantados na América, em terras África e até mesmo no Oriente.

As investidas portuguesas contra os mouros levaram à ocupação de diferentes cidades da área meridional de Marrocos, à implantação de Mazagão, erguida na parte sul da baía, bem junto ao mar.

Aos poucos, no entanto, os mouros começavam a recuperar suas cidades. Em março de 1541, Santa Cruz de Cabo de Gué caiu em poder dos mouros.

Santa Cruz de Cabo de Gué em Marrocos
Santa Cruz de Cabo de Gué em Marrocos

Alguns anos mais tarde, em 1550, Alcácer-Ceguer e Arzila foram abandonadas pelos portugueses, restando a Portugal, de suas conquistas em Marrocos apenas Ceuta, Tânger e Mazagão.

A perda deste baluarte compeliu o rei D. João III a determinar já em Outubro daquele ano, o abandono e a evacuação de Safim e Azamor.

Posteriormente, em 1662 Tânger, que permanecera portuguesa, foi cedida à Inglaterra como parte do dote de casamento de D. Catarina com Carlos II. Assim, no final do século XVII até meados do XVIII apenas Mazagão permaneceu como marco de resistência do sonho lusitano em Marrocos.

Mazagão nascera uma cidade litorânea, voltada para o comércio. Sua vocação de concentrar riquezas contribuía para aumentar a cobiça de outros povos, com riscos de invasão a que era submetida. Riscos aos quais se somavam os objectivos mouros de recuperar seu território.

Ainda por determinação de D. João III, a cidade Mazagão fora fortificada, transformada em uma cidadela da qual se dizia inexpugnável.

Mazagao Velho no Brasil
Mazagao Velho no Brasil

E de facto, esta cidadela resistiu por mais de dois séculos, ainda que isolada por terra pelos contingentes marroquinos.

A partir de 1750 intensificaram-se os ataques mouros à praça portuguesa de Mazagão. A partir de então se sucederam os cercos, os ataques sofridos por Mazagão: em 1751, 1752, 1753, 1754, 1756, 1760, e 1763. Neste último, a cidade se viu na iminência de ser tomada.

Mas foi em 1769 que um poderoso contingente de 8.000 homens montou o último cerco à cidade.

Bandeiras de Marrocos, Brasil e Portugal
Bandeiras de Marrocos, Brasil e Portugal

O transtorno, o perigo real, imposto pelos mouros que sitiavam a vila portuguesa de Mazagão, levou o Rei D. José I a ordenar o abandono da praça e o embarque imediato da população para Lisboa.

Em 1769 já haviam se passado 256 anos desde que os portugueses fundaram Mazagão. Muitas transformações haviam se operado nas relações entre os países, nas políticas internas, nos produtos das colónias.

E, no reinado de D. José, a política portuguesa assumia novos rumos.

Assim é que, ao tomar conhecimento do cerco que se montava a Mazagão, o Rei decidiu pela transferência para o Brasil das 340 ali residentes.

Nasce uma Nova Mazagão… Ler o resto deste artigo: http://www.magmarqueologia.pro.br