Visitar Tétouan Marrocos

2- O que visitar em Tétouan – Locais principais

Medina

A Medina de Tétouan é ao mesmo tempo uma das mais pequenas mas também uma das mais interessantes de Marrocos. Classificada pela UNESCO como Património Mundial da Humanidade encontra-se hoje tal como era no século XVII, dividindo-se por bairros, segundo as etnias ou religiões dos habitantes tradicionais: Andaluzes, Judeus e Berberes.

As suas muralhas estendem-se por um perímetro de cerca de cinco quilómetros e existem sete portões medievais que dão acesso à medina.
Vaguear pelas vielas da medina de Tétouan é um autêntico festival para os sentidos. Os sons do quotidiano misturam-se com as diversas línguas faladas por estas gentes, podendo-se ouvir berbere, árabe e palavras e frases em francês ou espanhol. Dos mercados e das bancas de venda de rua emanam perfumes naturais. E apesar do branco ser dominante nesta medina, não faltam detalhes coloridos para deleite dos olhos do visitante.

Na medina poderão ser avistadas diversas mesquitas, a praça pública principal, alguns kasbahs e o palácio real. Mas os principais atractivos serão os aspectos da vida diária, que se registam a diversos níveis. Ao virar de cada esquina podem ser avistados genuínos artesãos praticando os seus ofícios e os mais atentos repararão na influência andaluz na medina de Tetouan.

Souks

Os mercados de Tetouan são bastante genuínos, menos habituados a ver estrangeiros a percorrer as suas vielas do que acontece noutras cidades marroquinas. Distinguem-se os mercados de madeira e carpintaria, de joalharia e de curtumes.
O estrangeiro pode andar pelas ruas destes mercados sem ser pressionado como sucede nos souks mais afamados do país o que contribui para uma experiência mais descontraída e mesmo mais enriquecedora.

Igreja de Bacturia

A Igreja de Bacturia, também conhecida como Iglesia Nuestra Señora de la Victoria, é um dos dois templos católicos que sobrevivem em Tétouan. Foi construída em 1926, como catedral e principal igreja do Protectorado Espanhol, e ainda hoje mantém um aspecto atractivo, com as suas paredes exteriores a distinguirem-se graças à pintura amarela. Encontra-se junto à Praça Moulay el Mehdi, mais conhecida como Praça Primo. De resto é ricamente ornamentada, quer por fora quer por dentro, e goza de uma autorização rara para fazer soar os seus sinos, colocados numa única torre sineira. O seu interior é caracterizado pelo estilo Neomudéjar enquanto no exterior, para além deste estilo, se encontra uma influência Românica. Está activa enquanto igreja católica, com o serviço a ser assegurado por padres franciscanos e havendo missa diariamente, às 19:00, ou às 11:00 de Domingo.

Já agora a outra igreja católica existente em Tetouan localiza-se no Bairro Málaga, no interior do recinto do Hospital Espanhol. Trata-se da Iglesia de Nuestra Señora del Perpetuo Socorro, confluída, em 1930 em estilo Neo-românico, com duas torres sineiras. Também aqui é dada missa, mas apenas uma vez por semana.

Avenida Mohammed V

Esta importante artéria da cidade é no seu segmento central reservado a peões, tornando-se especialmente animada ao final da tarde, quando as pessoas terminam as suas tarefas e trabalhos e vêm até aqui passear ou fazer compras. Existem muitos cafés, restaurantes e deliciosas lojas e bancas de rua.

Praça Hassan II

Nesta vasta praça pode-se ver o palácio que foi sede do califado de Tetouan, chamado Dar El Makhzen, que hoje pertence à extensa rede de palácios da família real. Infelizmente a segurança ao palácio interfere um pouco com a praça, que tem vastas áreas seladas e sem vida. Notem-se as estruturas que parecem ser minaretes mas que são na realidade torres arquitectonicamente próximas da corrente art nouveau que foram concebidas por Enrique Nieto, um artista que foi aluno de Gaudi e que viveu em Melilla.

Grande Mosquée

A construção da Grande Mesquita de Tetouan iniciou-se em 1808 por ordem de Moulay Slimane, tendo nascido no local onde anteriormente tinha já existido uma mesquita menor, uma área chamada de al-Balad. Na realidade, o ponto onde hoje vemos esta imponente mesquita foi em tempos parte do mellah – o barro judeu – mas em 1790 Moulay Izid causou consideráveis danos ao mellah de forma que em 1808 o terreno era propício ao aparecimento da Grande Mesquita.

A sua arquitectura segue os preceitos alawitas e no interior – uma área que apenas os muçulmanos poderão visitar – existe um pátio em forma de U ladeado por arcadas. O seu tecto é de madeira e mosaico encarnado.

Museu de Arqueologia

Este museu foi fundado em 1943 e as suas colecções são dedicadas ao Marrocos Pré-Islâmico e Pré-Histórico. Nas suas salas estão expostos artefactos recolhidos em locais arqueológicos, cobrindo as presenças fenícias, romanas, mauritanas e púnicas.

À entrada, uma das peças principais da exposição, o painel em mosaico “As Três Graças”, datado da Época Romana e representado entidades mitológicas. Outra peça de grande importância é a estatueta Suméria, encontrada perto de Asilah. Nos jardins encontram-se mais mosaicos, com destaque para os cinco painéis do século II que foram trazidos da antiga cidade de Lixus.

Destaque para a magnífica biblioteca do museu, composta por mais de sessenta mil exemplares.

O museu está aberto diariamente, com excepção para as Terça-feiras, entre as 9 da manhã e as 4 da tarde, custando o bilhete 10 Dirhams.

Museu Etnográfico

A história deste museu remonta a 1928, quando foi criado o Museu das Artes Indígenas, também conhecido como Casa Muçulmana. Actualmente o Museu Etnográfico encontra-se literalmente no portão oriental da medina, o Bab el-Okla, onde se podem ver representações da vida quotidiana tradicional: uma cozinha em funcionamento, quartos, salas cerimoniais e salas de estar, todas devidamente decoradas. Depois existem colecções de artefactos variados, armas, elementos ornamentais, roupas, mosaicos, peças de mobiliário, almofadas, teares. Uma infinidade de objectos tradicionais que ilustram os costumes das gentes locais.

Uma das salas mais espectaculares será a de Trousseau, onde estão reunidos os objectos relacionados com a cerimónia de casamento.
O terraço superior oferece excelentes vistas sobre as montanhas do Rif e se estiver fechado pode pedir ao pessoal para abrir a porta.
O museu está aberto de Segunda-feira a Sábado, das 9 da manhã às 4 da tarde e o igresso custa 10 Dirhams.

Centro de Arte Moderna de Tétouan

Este museu de arte encontra-se bem no centro de Tetouan, estabelecido na antiga gare ferroviária da cidade, criada em 1918 segundo os planos do arquitecto espanhol Julio Rodriguez Roda. Trata-se de um dos dois principais museus de arte moderna de Marrocos (o outro encontra-se em Rabat) e tem cinco salas principais de exposição.

A colecção foca-se em autores contemporâneos marroquinos e são regularmente organizadas exposições temporárias. Note-se que em Tetouan existe uma das duas escolas de Belas Artes do país e muitos dos autores aqui expostos estudaram na cidade, na chamada Dar Assania.
Este museu está aberto durante os dias de semana das 9 às 17.

Ensemble Artisanal

Este centro de artesanato pode parecer apenas mais um local para comprar umas recordações de Marrocos, mas isso aplica-se ao seu piso térreo onde de facto se comercializam os produtos característicos de artesanato local. Contudo, o melhor encontra-se no primeiro andar: ali encontram-se verdadeiros artesãos a laborar e com algum jeito pode-se observar carpinteiros, tecelões e homens que trabalham o couro enquanto operam autênticas maravilhas com as suas matérias-primas.

Se gosta deste tipo de coisas poderá encontrar oficinas diversas na medina e com sorte ser convidado a ver e conversar um pouco com os artesãos.

Tétouan: Guia de Viagem
(clique na sub-página pretendida)

Agencia de Viagens em Marrocos